De Olho

O Astrólogo NO MUNDO.

Free counters!

quinta-feira, 18 de junho de 2009

2012: O MAPA DO COMEÇO DO FIM

Segunda-feira dia 15 de junho no programa Superpop da RedeTV foi transmitido um debate sobre 2012, participaram um cético, um pastor evangélico, um esotérico, um escritor dos maias e uma astrológa. O programa destacava que a astrológa explicaria o mapa do momento das mudanças, porém sua análise foi muito genérica e deu margem para o cético fazer críticas contundentes, ou seja, pela análise apresentada e pelos argumentos dos que defendiam os acontecimentos do calendário maia, nada de concreto foi apresentado, não dá pra discordar do cético. Para subsidiar os astrólogos e esotéricos eis a descrição da intepretação do Mapa do Evento previsto no calendário maia, publicado no meu livro em 2008:
"O ascendente estará em Virgem (...) Júpiter estará próximo ao meio do céu, embora muito se propague que esse planeta é o mais benéfico, não é bem assim, tudo tem o seu lado negativo, seria benéfico se a Humanidade tivesse resolvido seguir um ougtro caminho, agora o simbolismo de Júpiter, que significa abundância, poderá significar abundância de fatores negativos, como ele estará entrando em oposição a Mercúrio e a Vênus, isso significará que todos procurarão se comuncicar ao mesmo tempo, mas não conseguirão, esse será um dos principais sistemas a entrar em colapso devido as forças magnéticas que estarão atuando.
O Sol e Plutão estarão em Capricórnio na casa 4, das estruturas, isso quer dizer que serão profundamente abaladas, tanto as estruturas físicas, mentais, familiares, sociais e civilizatórias. Marte também estará em capricórnio, mas na casa 5, isso quer dizer inércia, muitos ficarão sem ação, principalmente quem não foi precavido, como o simbolismo de Saturno sugere.
Saturno estará em Escorpião na casa 2, isso quer dizer que o sistema econômico e tudo que o sustenta ruirá, indica escassez de recursos energéticos e de sobrevivência. os nódulos lunares estarão no eixo Touro - Escorpião, juntamente com Saturno, esses símbolos indicam valores materiais versus valores espirituais, e a sociedade escolheu o materialismodesenfreado.
Netuno, regente dos mares e das águas estará em zero grau em Peixes, seu próprio signo, estará forte, na casa 6, embora o signo esteja na casa 7, isso indica que o mar será o que mais as pessoas irão ver, e seus principais temores imaginários materializar-se-ão, a impressão é como se fosse uma cena de cinema e todos estamos entrando na tela subitamente.
Urano e a Lua estarão em Áries, Urano na casa 7 e a Lua na casa 8, Áries é o Deus da Guerra, e a casa 8, a da morte e transformação. A morte chegará de surpresa, inesperadamente, a emoção mais sentida será desespero, angústia e a sensação de morte iminente. A presença de Urano nessa área indica que o eletromagnetismo fará tudo que é elétrico e eletrônico entrar em colapso.
(...) Eu estava aqui pensando no mapa astral de amanhã, do evento. Sabe a beleza da astrologia e de seu sincronismo com tudo o que acontece no universo, é tão...tão indescritível, que eu fico pensando se um dia toda a Humanidade chegasse a poder entender a astrologia com profundidade e aplicá-la em suas vidas, entrar em sintonia com o universo, acho que seria um paraíso, porque acho impossível alguém aproximar-se tanto da sabedoria divina e pensar em fazer o mal ao próximo, sabe. Numa sociedade onde só o amor e o estudo fosse o centro da vida, não haveria as mazelas que essa Humanidade criou." (O Astrólogo,2008,pag.33-34)

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Numenum e Fenomenum

Indagações teosóficas a partir da Teoria de Cantor...
Pois é, criamos os números a partir do Nada Absoluto...
O número não tem existência física, ele é relação de quantidade, medida, etc
Entretanto, O nada asboluto está contido em cada número...
Mais difícil ainda, entender que o infinito está contido em cada número...
Mas,... cada número está contido no Nada Absoluto?
Como é difícil termos essa responsabilidade de ESTARMOS contidos no nada, estarmos contidos no infinito, estarmos contidos EM DEUS.
Estamos contidos no VAZIO... E O que é, este vazio?
Fico me questionando, filosoficamente: Numenum e Fenomenum, não são Verso e Universo em relação?
Nós só podemos ter compreensão do que é o numenum, quando este É relação...
Então, somos todos nós assim, os seres humanos..
O homem só pode ter uma pequena compreensão do que ele mesmo É, através de sua RELAÇÃO consigo, com o Outro, com Deus, com o mundo e com o ser aí das coisas.
O homem só pode ter compreensão de si, quando admite ser esse ser aí, posto no mundo... em relação com o que se manifesta...E como Deus se manifesta?
Estudemos os fenômenos dos astros... e nossa relação com Ele...
Ter compreensão do que se manifesta através do UNO + Verso, não é nada fácil...
Ter também compreensão de que se É Único e posto aqui neste mundo, cheio de Versos, para construir o UNO-verso de si, deveria ser missão de cada ser humano...
Espero que os astros me revelem mais e mais poesia em seus Versos...
Obrigada pelo Post...
Abraços Eliane

Eliane Felipini
Uma (R)Evolucionária Diplomata

terça-feira, 16 de junho de 2009

O ELO PERDIDO (Parte 2)

“Que a Força esteja com Você.”


A classificação do nível de “força” do aspecto é muito simples de ser entendida. Imagine-se puxando um peso através de uma corda, agora imagine tendo que puxar duas cordas, você é o mesmo e numa situação ideal sua força é a mesma, porém dividida, quanto mais dividida vai sendo sua força menor vai sendo sua ação sobre cada uma das cordas.

Da mesma forma acontece no Universo, pense em Deus, a força suprema universal, tendo que puxar apenas o continumm como uma unidade, sua força potencial é enorme, temos a conjunção, quando Deus começa o processo de manifestar sua Presença, Ele tira do Eterno, de Si mesmo, o passado e o futuro ao mesmo tempo, causando a tensão da oposição, tensão essa que só é resolvida com a manifestação do presente e a harmonia do Trígono. Daí em diante, estabelecida as leis universais, o continuum tem vida própria, ele se dividirá ad eternum e ad infinitum sempre retornando ao Eterno em espirais de evolução.

As quatro primeiras angulações são fortes de acordo com suas características, não como costumamos mensurar em mais forte que o outro, assim a conjunção tem força potencial, somos instigados, inspirados e energizados a manifestarmos alguma coisa, mas nós podemos decidir que não vamos utilizar esse potencial.

Na oposição é diferente, somos tensionados a tomarmos uma posição, nem que seja a de omissão, mas você estará se omitindo não mais só de você mesmo, mas de forças externas também. No trígono a situação se resolveu, nem que não tenha sido a melhor solução, mas você já não sente pressão interna ou externa, você pode aproveitar para prevenir e se fortalecer para futuras tensões ou simplesmente relaxar.

Na quadratura se você fez tudo, de acordo com a maré, o pior que pode acontecer é alguém se aborrecer, por ver você no olho do furacão conseguir manter a calma e escolher a melhor saída, caso contrário a situação se complica de vez, seja por conseqüência de suas omissões ou do relaxamento em resolver a situação. Na quadratura há uma manifestação objetiva de toda a situação.

Os outros dois grupos de aspectos segundo a classificação de força são os moderados e fracos, a lógica é a mesma, dentro de cada grupo eles possuem um mesmo potencial, diferenciando-se nas reações provocadas no ambiente e nos receptores de suas energias, porém, fortes, moderados e fracos formam um conjunto indissociável, são momentos distintos da manifestação de uma mesma força, essa divisão é apenas didática.

Superando crises internas e externas.


Uma das principais vantagens do estudo e uso da Astrologia, como meio ou instrumento de compreensão de si mesmo, em nossa busca de evolução, é a Esperança, a Confiança que se resumem no sentido de Entusiasmo, como “pleno de Deus”, ou seja, a Astrologia permite que confirmemos o que nossa intuição nos aponta, que o Universo tem Ordem, direção e sentido.

A Astrologia, portanto, como conhecimento decifrador dos códigos de Ordem do Universo nos apresenta uma lógica da qual podemos inferir dois pontos fundamentais para o enfrentamento de qualquer crise:

1. Toda crise é uma tensão energética.
2. Toda tensão, como todo aspecto, é passageiro.

Diante desse quadro, dessa perspectiva, podemos elaborar a melhor estratégia para enfrentarmos e inclusive sairmos melhor do que entramos na crise. Os passos básicos que devemos tomar para enfrentarmos crises internas e externas, simultâneas ou individualmente são:

1. Recupere o sentido do seu Elo Perdido: entre em sintonia consigo mesmo, com a Terra e com o Universo (Deus).
2. Siga o ritmo da sintonia: utilize a força das tensões para criar eventos que eliminam entraves na sua vida individual e, no que couber, nos ambientes coletivos de sua atuação.
3. Evolua com a mudança: crises são agentes energéticos de mudanças, nossa postura diante dos eventos mutacionais é que determinam se elas serão prejudiciais ou benéficas para nós.


Como complemento desses passos básicos, o mapa astral pessoal lhe permitirá compreender melhor as tensões do seu padrão natal, de como as progressões estão atuando sobre essas tensões e na formação de novas tensões, bem como os trânsitos atuam sobre todos esses padrões. A compreensão desse conjunto de fatores lhe dará amplo domínio sobre as características e padrões de suas crises pessoais/internas, permitindo gerar estabilidade suficiente para enfrentar as crises externas/coletivas, inclusive descobrindo qual o seu padrão de reação e de ajuda que pode oferecer para o melhor aproveitamento coletivo desses momentos energéticos.

segunda-feira, 15 de junho de 2009

O ELO PERDIDO (Parte 1)

Seguindo a trilha que um velho adágio nos deixou, de que o Ser Humano é o reflexo do Universo, ou seja, “ O que está em cima é semelhante ao que está embaixo”, vamos refletir sobre as origens energéticas das tensões e crises, tanto coletivas, quanto individualmente em cada Ser, para que, compreendendo-as, possamos, instigados por esses conflitos energéticos, superá-los e encontrar saídas e soluções criativas e evolutivas, diante desses desafios.

A Astrologia baseia seus estudos numa observação simples: existe um elo entre Gaia, o Ser e Deus.

Observe a figura abaixo:



A figura nos mostra a semelhança entre o nome de Deus em hebraico e a estrutura do corpo humano, será mera coincidência?

Na Cabala o nome de Deus tem um valor numérico: Yod (10) + He (5) + Vav (6) + He (5) = 26.


Há um segredo na Cabala, onde o Nome de Deus pode ser resumido numa única letra, confirmando o adágio: “Ele é o alfa e ômega, o princípio e o Fim.” A letra alfa do alfabeto hebraico é o Alef, seu valor é 1, mas observe o segredo de como todos os números nascem do 1, assim como tudo nasce de Deus:



O Alef é formado por dois Yod’s, um em cima e outro embaixo, e um Vav inclinado, logo: Yod (10) + Vav (6) + Yod (10) = 26.

Temos então a sentença cabalística que Alef = Deus = YHVH = 26 = 2+ 6 = 8

Agora vamos descobrir o elo entre Deus e o Ser Humano, observe:

Mãe em hebraico é EM, Alef (1) + Mem (40) = 41 = 5.

Pai em hebraico é AB(V), Alef (1) + Bet/Vet (2) = 3

Pai (3) + Mãe (5) = 8 = 26 = Deus= Masculino + Feminino.

Portanto Deus = Ser Humano, vamos descobrir agora a ponta final desse elo.

O núcleo da Terra é formado por um mar de magma, e nele flutua um enorme cristal de ferro “octaédrico” , mas não é apenas essa a coincidência com o 8 divino, o Ferro tem número atômico 26. Logo, a Terra, Gaia = 26 = Ser= Deus.

Depois dessa introdução cabalística, vamos adentrar na relação entre o Alef e a Astrologia.

O estudo específico da relação energética entre Gaia, o Ser e Deus, na astrologia, representada pelos arquétipos planetários e dos signos, chama-se aspectologia ou a geometria astrológica das relações energéticas do Ser, vejamos os conceitos dos aspectos principais.


A Conjunção: o ponto.

Para entendermos um pouco o potencial da força da conjunção vamos ter que entrar numa área da matemática que poucos leitores talvez tenham visto, tentarei ser o mais simples possível. O Dr.Georg Cantor (1845-1918), alemão com provável descendência judaica, descobriu e nomeou o conjunto dos números transfinitos א (alef), isso mesmo, a primeira letra do alfabeto hebraico, o Alef na Cabala é o símbolo de Deus e sua infinitude, caracterizada pelo Ain Sof, o Nada Absoluto. Mas o que nos interessa é a figura que se forma a partir dos cálculos do Alef.

Como podemos observar na figura 1, a seguir, o Alef é o ponto que se expande ao infinito, esse é o potencial da conjunção, e por isso é o aspecto de maior força e de maior influência astrológica. Dele deriva todos os outros aspectos, como toda a criação deriva do criador.


Alef. O Ponto: a conjunção.


A Oposição: a reta.


Na astrologia cabalística a oposição significa que Deus está dividido, não em dois, mas em três pontos, cria-se então uma tensão, pois os dois Alefs opostos querem voltar à unidade, essa tensão ocorre em toda à Natureza em torno dos graus 170 - 180 – 190, com tensão sempre maior quanto mais se aproxima dos 180 graus e menor quanto mais se afasta.


A Oposição: a Reta.


O Trígono: o triângulo.


No Trígono, três Alefs giram em harmonia ao redor dele mesmo. O passado, o presente e o futuro giram entorno do Eterno, nessa configuração o ângulo é de 120 graus. Essa harmonia ocorre em toda à Natureza em torno dos graus 110 - 120 – 130, com harmonia sempre maior quanto mais se aproxima dos 120 graus e menor quanto mais se afasta. Quando três planetas ou elementos do mapa estão em trígono entre si forma-se o Grande Trígono.



O Trígono


A Quadradutura: o quadrado.



Na Quadratura, quatro Alefs buscam voltar a unidade, mas são impedidos por eles mesmos, um dos Alefs está sempre produzindo um excesso seja no passado, no presente ou no futuro. Quando eles entram em angulação exata criam uma estrutura pois todos estão em 90 graus consigo mesmos, com o Eterno ou através Dele. Por criarem uma estrutura, com mensuração maior no plano físico que as demais configurações, esta é considerada a mais tensa.Essa tensão ocorre em toda à Natureza em torno dos graus 80 - 90 – 100, com tensão sempre maior quanto mais se aproxima dos 90 graus e menor quanto mais se afasta. Quando quatro planetas ou elementos do mapa estão em quadratura entre si forma-se a Grande Cruz ou Grande Quadratura.


A Quadratura